Para mim tudo foste
Cleide Canton


No momento pleno do encontro contigo,
de te ter tão meu, tão inteiro, tão amigo,
de te ser tão perto, tão crente, sem rodeios,
desafiei tuas teses complicadas
com novas hipóteses bem estruturadas
fincadas apenas nas razões do amor.



Busquei-te nos moldes pré estabelecidos
já lapidados das marcas de desesperanças
e lá te encontrei e te senti.
Eras exatamente o que eu previ
e no muito que escondeste de mim
apenas meu sonho lustraste
com panos de chão de cetim.



Tão visíveis se fizeram meus apelos,
tão coerentes se mostraram os meus zelos,
tão perto estiveste da minha entrega total...
Apenas te furtaste de entender
a única maneira de me envolver.



Não sondaste minha alma em agonia
que para renascer apenas pedia
que não me tivesses como as demais
por ti consideradas tão iguais.
Eis-me, então, donzela ferida,
de teu amor arremetida.



Alada, retorno ao meu vôo solo.
Desconfiada, não mais buscarei outro colo.
Terias sido o único, o imortal
e eu não seria a causa do teu mal.



Não invistas na minha volta,
não me procures nos teus revezes,
nem nas tuas diagonais.
Somente me encontrarás num passado distante,
sem luzes, sem cores... 
Aí me terás eternamente constante.



SP, 03/03/2004
23:10 horas

Proibida a cópia sem autorização da autora

 

Web designer Ana Amélia Donádio
romantichome@terra.com.br
Página editada em 16/03/2004.

  online