Outono
Cleide Canton Garcia


Como a folha
que se desprendeu,
se soltou, voou,e quedou-se
amarelada, envelhecida,
assim me encontro
no outono da vida.



Sobrou-me o viço d'alma
que transparece em minha aura
azulada,
um tanto esfumaçada...



Sobrou-me ainda a fé
e um sorriso franco.
Sobrou-me o branco
da mistura de sonhos
vividos.



Sobrou-me um coração
que não mais chora
mas está aberto
para o mundo afora.



O vento 
já não me leva
para outras paragens,
mas refresca nas estiagens.



O sol 
não mais queima a minha pele
mas embala 
meus pensamentos



A lua se revestiu de lilás...
Soberba, altaneira
é ainda companheira
das minhas noites de paz.

Proibido a cópia sem autorização da autora

 

Web designer Ana Amélia Donádio
romantichome@terra.com.br
Página editada em 27/08/2003.

 

 

  online