MONÓLOGO DA SOLIDÃO
Walter Pereira Pimentel
 
 
Ainda não sai de cena
Estou no palco
Mas, a contragosto, vejo
Sufocando os meus desejos
Que comigo já não contracenas
 
De repente
Tornamo-nos apenas personagens
Presos a um texto triste e frio
Que me faz perder entonação e brio
Facilmente me irritar, tudo questionar
 
Afinal, mudaste tu ou mudou o texto?
Embora estejas, como eu
Inserida no mesmo contexto
Sinto que improvisas, que inventas
Já não amas, representar é o que te contenta!
 
Sem os aplausos da platéia, como na estréia
Num palco onde entrei por tuas mãos
O espetáculo termina, cerram-se as cortinas
Sob as luzes da ribalta, Chorando a tua falta
Coração vazio, saio de cena, volto à antiga rotina
 
Nas ruas, sem palco, sem ribalta, sem coxia...
Num ambiente tosco, em plena escuridão
Cercado por uma multidão vadia
É onde irás me encontrar, sempre a recitar
O monólogo da solidão

 
29.12.04




EPÍLOGO
Cleide Canton


Então,
esse era o espetáculo
que me reservou a vida?
Seria apenas
fazer-me personagem
de mocinha ou bandida?
Valeram nada
a entrega, a exaustão,
o amor, o perdão?
Que dizer do ensaio,
de horas tantas de doçura,
do calor, da ternura?

Perdeu o encantamento
a cena em que comigo não contracenas.
Perderam a razão
as frases sutis da minha inovação.

Embrumaram-se
os holofotes coloridos,
perdidos
nos desencontros de nossas falas.
Tu te calas,
eu suspiro
e me atiro
aos cantares loucos
notados por tão poucos...
Dispenso aplausos e festa.
Esquecer o show é o que me resta.

No extravasar das mágoas,
tu conversas contigo
num texto sem sentido,
aplaudido
por quem nada sabe de teus viveres.
Seres
também perdidos no abismo do nada
onde a dor encontra a solidão calada
e os sonhos morrem sem socorro.
Lá mesmo onde tu morres, eu morro.
Nem um som se houve
a não ser a voz
que rompe, num murmúrio triste,
declarando o epílogo do amor
que em mim persiste.

Perdeu-se o palco
na escuridão dos sentimentos.
Escondeu-se o amor
no monólogo dos teus lamentos...

SP, 03/01/2005
21:00 horas
 
 
 
BACK DE GLÓRIA GUEDES
 

 

Página editada por Cleide Canton em 10 de abril de 2006

  online