Magia
Cleide Canton Garcia


Apodero-me da força mágica
de ser quem não sou.
Vibro como as cordas
de um violão
que acompanha os doces lamentos
de um samba-canção.



A melodia cala fundo
e eu, tal qual moribundo,
retrocedo no tempo
em busca de sonhos
que não sonho mais.



Afloram
os ternos momentos
esquecidos no tempo
que este lampejo
me faz recordar.



Toma-me o torpor
do suave balanço
dos passos que já não danço
e que outrora me deram
razões para amar.



Teu vulto apagado,
nem tão desgastado,
surgindo risonho
na tela do meu sonho
me faz acordar.



E a doce canção
perdida no ar
envolve o cenário
que a minha retina
teima em apagar.




®DireitosAutoraisReservados©
Proibido a cópia sem autorização da autora
.

 

 

               

Web design Ana Amélia Donadio/Romantic Home
romantichome@terra.com.br
Página editada em 16/07/2003.

  online