ESFÉRICO
Carmo Vasconcelos
 

 Redondo é o ventre
que gera a vida
Redondo é o seio
que amamenta a cria
Redonda é a Lua
da imaginação
Redondo é o Sol
que germina o grão
Redondo é o Mundo
onde tudo vibra
Redondos os sonhos
bolas de sabão…
 

 Redonda a existência
de ciclos sem fim
Redondo o abraço
que te cola a mim
Redondo o falo
da fecundidade
Redondos teus lábios
de sensualidade
Redondo teu corpo
de apelos carnais
Redondas as formas
que eu amo demais!

 
Lisboa-Portugal
 

 
 
QUADRADO
Cleide Canton
 
 
Quadrado
é o canto que não condiz,
um solfejo de aprendiz
na pauta da sinfonia.
É o compasso sem apuro,
camuflado e inseguro,
semitom da ironia.
 
Quadrado
é o espaço limitado
deste olhar enclausurado
só buscando, nada vendo.
É o espelho que não mente
quando estás a sua frente,
de ti mesmo te escondendo.
 
Quadrado
é o fim da caminhada
ribanceira, pó na estrada
pouca sorte, pouco empenho.
É a moldura, é o final
o que restou no bornal
desta história que desenho.
 
SP, 25/09/2007
18:50 horas

 

 

 

 
Quer enviar esta página?
Clique no Recomende.
 
 

Copie o código para colar no scrap do Orkut
 

Página editada por Cleide Canton em 10 de outubro de 2008

online