Em meu quarto
Cleide Canton Garcia


Deixei as cortinas abertas
para não abafar
a solidão que sinto.



Debruço no meu pranto seco,
enquanto as lembranças afloram
e o teu olhar azul
emerge das sombras,
sedutor como dantes,
brilhantes.



Envolvo-me e aquieto-me
procurando compor
a imagem que não esqueci. 



Não lastimo
as causas que me afastaram de ti.
Sensatez,
orgulho, talvez!



O que houve entre nós dois?
Se mil vezes me perguntar
respostas não vou encontrar.



Só sei que quando a saudade aperta
te encontro nas estrelas
e me entrego ao meu sonhar.


Proibido a cópia sem autorização da autora

 

Web designer Ana Amélia Donádio
romantichome@terra.com.br
Página editada em 11/09/2003.

 

online