DISSE-ME A FLOR
Cleide Canton


Disse-me a flor quando lhe perguntei,
( sem ter coragem de a despetalar)
que meu serias e eu acreditei
no eterno laço desse verbo amar.

Mas tu te foste e para meu desgosto
eu nada ouvi dos doces lábios teus.
Foste o "sujeito", e eu somente "aposto"
e o verbo exige o complemento "adeus".

É bem provável que este mesmo texto,
sem mais requintes venha a terminar
em frases soltas, cheias de pretexto...

Mas não te enganes, há uma nova era
e um novo verbo surge a contestar
se a flor, de fato, não me foi sincera...


SP, 02/09/2006
2:15 horas



DIGO-TE...FLOR
Sá de Freitas


Se acaso - um dia - em meu jardim chegares,
Onde há glicínias, desabrocham rosas,
E, sem receio algum, me perguntares:
-"Qual é a mais bonita entre as formosas?"

À rosa olharei... Quantos Abrolhos!
Que devo responder-te? O que farei?
Se com meus olhos postos nos teus olhos,
Honestamente responder não sei?

Então me envolverás num olhar de santa,
Que me interroga com doçura tanta,
Que imagino meu rosto até vermelho.

---"Vamos! Dize poeta indiferente,
Qual é a mais bonita?" - Eu de repente,
Em resposta, te mostrarei um espelho.

FORMATAÇÃO DE SIMONE CZERESNIA

 
Quer enviar esta página?
Clique no Recomende.
 
 

Copie o código para colar no scrap do Orkut
 

Página editada por Cleide Canton em 10 de julho de 2007

  online