DESAFIO-TE...TRISTEZA
 

 Sá de Freitas

 
 
 
Vai tristeza... pois eu não te tolero,
Um segundo sequer cá do meu lado...
Se me entregar à ti serei levado
Bem longe da alegria... Isso eu não quero.
 
A custos queres sufocar meu canto;
Queres matar a paz que me rodeia;
Queres fazer minha existência feia
E queres transformar meu riso em pranto.
 
Mas não conseguirás...Tenho certeza,
Pois  em tudo procuro achar beleza
E nela sufocar meus tristes ais.
 
Se eu ficar triste a dor não vai embora,
Se a dor permanecer minh'alma chora
E se a alma chorar... eu sofro mais.

 

DESAFIO-TE, ALEGRIA

 

Cleide Canton
 
 
Vem agora, retalho de alegria,
vem depressa, liberto e despertante.
No vagar desta dor, que me é constante,
não mais quero o abraçar da nostalgia.
 
Não recuses, suplico, este clamor.
Vem deitar no meu sangue uma ousadia,
pois não posso perder mais um só dia
entre espinhos que ferem meu amor.
 
Ao chegares terei de volta a calma,
sorrirá novamente esta minha alma
no prazer de cantar em Lá Maior.
 
Só me falta sentir a brisa amena
solfejando no caos da velha cena
pois acordes da vida sei decor.
 
SP, 29/04/2009
10:50 horas

 

 

 
 

 

Quer enviar esta página?
Clique no Recomende.

 

Copie o código para colar no scrap do Orkut
 

 

Página editada por Cleide Canton em 21 de julho de 2013

  online