DE QUE VALE O MEU PERDÃO
Cleide Canton Garcia



De que vale o meu perdão
se magoaste o coração
de quem tanto bem te quis.
Siga em frente sossegado,
esqueça o nosso passado
e me deixa ser feliz.



Já cansei desta agonia
que mesclou meu dia a dia
embolando o meu viver.
Saio desta destemida,
nem um pouco arrependida
por te dar tanto querer.




Hoje sinto a alegria
que ontem desconhecia
por amar sem ser amada.
Tenho agora quem eu quero
e dele somente espero
respeito, amor e mais nada.




Foste o rio que já passou
e que um dia me afogou
nas redes da fantasia.
Agora nada mais resta
expurguei o que não presta,
vivo em paz e harmonia.




De que serve o meu perdão
se não houve compaixão,
muito menos hombridade.
P'rá mim basta o esquecimento
e agora nenhum lamento
pela tua falsidade.




Mas o teu perdão eu peço
e com ele me despeço
de um passado que não quis.
Perdão por te amar demais,
por ter te dado meus ais,
por ser, agora, feliz!


Proibido a cópia sem autorização da autora

 

Web designer Ana Amélia Donádio
romantichome@terra.com.br
Página editada em 18/08/2003.

 

 

online