AMO-TE ASSIM...
Poeta Londrino

Amo-te assim desgovernado,
contra lógicas, razões... solitário...
sombrio, ausente e desesperado...
peregrino de um encantado santuário.

Amo-te também luminoso e alegre,
a semear lirismo no horizonte
na esperança de que o vento leve
a ti a frescura dessa fonte...

Amo-te imprudência e devaneio
imerso em tua ausência neste veio
torturante de abandono e saudade.

Amo-te como jamais perceberás...
convulsa certeza que nunca verás
no volúvel desfilar da felicidade.



EU TE AMO
Cleide Canton

Pois eu te amo assim, impensadamente,
cega às sombras de um descompasso tal
que, mal te sonho, a noite é diferente
e os ventos uivam do prazer total.

E mesmo enquanto o belo se acinzenta
pela distância que te faz ausente,
tinjo no peito os selos de magenta,
cobre-me a alma esse cantar dolente.

A voz se cala, a hora é de ousadia,
A prece voa e sela o meu segredo
no anoitecer que veio e não devia.

É o tolo sonho que vivi sem medo,
é a doce farsa, estranha fantasia,
que quanto mais me toma, mais eu cedo.

SP, 05/01/2006
22:00 horas



 

Art Fanny

 

Quer enviar esta página?
Clique no Recomende.

 

 

 

 

Página editada por Cleide Canton em 09 de outubro de 2013

  online