Ad eternum
Cleide Canton Garcia


Trago nos olhos
o brilho do luar
só para te amar.



Delírios suspeitos,
planos perfeitos
no meu esperar.



Noites sem fim,
medos em mim
só por sonhar.



Quero viver este amor de agora,
quero sentir este prazer que aflora,
ser para ti muito mais do que queres:
especial entre todas as mulheres!



Dou-te a taça para que  bebas meu vinho
e bebo contigo deste teu carinho.
Olhos nos olhos, delirante fantasia 
a nos arrastar para um mundo de magia.



Sou tua, inteira, tão bela quanto me vês,
respondendo aos teus apelos e porquês.
Nada mais quero, nada de melhor almejo
do que ter-te aqui realizando meu desejo.



E assim será, ad eternum, simplesmente,
pois não és mais ilusão da minha mente.
És responsável pela cicatriz da minha ferida,
pelo meu andar risonho, pela minha vida.

Proibido a cópia sem autorização da autora

 

Web designer Ana Amélia Donádio
romantichome@terra.com.br
Página editada em 23/09/2003.

  online